Afetividade e motivação na docência online: um estudo de caso

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.5944/ried.21.1.17415

Palabras clave:

Afetividade, docência online, mediador pedagógico, motivação.

Resumen

Na perspectiva psicogenética walloniana, a afetividade permeia todas as relações entre o aluno-mediador e o objeto do conhecimento. Na Educação a distância será a afetividade que engajará o aluno ao curso e à aprendizagem dos conceitos científicos, por meio da motivação. Esse artigo tem o objetivo de discutir a afetividade construída na mediação pedagógica em um curso online, trazemos o recorte de um estudo de caso sobre o Curso de Especialização em Tecnologias em Educação direcionado para professores e gestores da Educação Básica. Analisamos a relação da afetividade e motivação nas respostas à questão “De que forma a mediação pedagógica do curso contribuiu para o seu desempenho acadêmico”. A metodologia utilizada foi a análise de conteúdo, realizada por meio do software Alceste e contou com a devolutiva de 2117 alunos egressos do curso. Os sentidos presentes na categoria motivação foram divididos em dois grupos, sendo o primeiro, a importância do mediador para conclusão do curso, as características ou atribuições do mediador para que possa motivar o aluno, o apoio do mediador para que o aluno concluísse a especialização. Já no segundo grupo, percebeu-se a importância do mediador acompanhar o desempenho do cursista ao longo do curso e as estratégias utilizadas para esse acompanhamento. Concluímos que, as relações de afeto construídas com o mediador vincularam os alunos ao curso, contribuindo para sua permanência e conclusão e que a afetividade tem um peso relevante na garantia do processo de aprendizagem, pois deve estar inserida na mediação pedagógica e na construção do conhecimento.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Eunice Castro, PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO DE JANEIRO

Possui graduação em Pedagogia e especialização em Educação com Aplicação da Informática pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Doutoranda e Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) Pedagoga na Universidade Federal Fluminense e coordenadora das disciplinas de Didática e Estágio Supervisionado do curso de Licenciatura em Pegagogia no Consórcio CEDERJ/UENF. Atua e pesquisa desde 2009 educação a distância e formação de professores, cultura digital, tecnologias da informação e comunicação na educação

Keite Silva Melo, PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO DE JANEIRO

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1999), pós-graduada em Mediação Pedagógica em Educação a Distância pela PUC-Rio (2011), Mestre em Educação pela UNESA (2004) e está cursando o Doutorado em Educação pela PUC-Rio. Professora do curso de Pedagogia do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro e Orientadora de TFC pelo Lante/UFF no curso de Planejamento, Implementação e Gestão da EaD. Atuou como mediadora e orientadora de TCC no curso de especialização Tecnologias em Educação da PUC Rio. É membro da Equipe Editorial da Revista Democratizar. Desde 2003 atua na modalidade EaD, na mediação de disciplinas, coordenação de tutores ou de disciplina e na formação de novos mediadores (tutores).

 

Gilda Helena Bernadino Campos, PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATOLICA DO RIO DE JANEIRO

Possui Licenciatura em Francês pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Doutorado em Engenharia de Produção pela COPPE -Universidade Federal do Rio de Janeiro. É consultora e avaliadora de artigos do Grupo de Estudos de Educação Matemática, da Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, da Revista Brasileira de Informática na Educação, da Revista Linhas Críticas (UnB), da Revista Psicologia em Estudo da Universidade Estadual de Maringá, entre outras. É membro do Conselho Editorial da Revista da Associação Brasileira de Educação a Distância- ABED, e membro do Conselho Científico. Participa da Revista Brasileira de Informática na Educação – RBIE, da Sociedade Brasileira de Computação e Membro do Conselho Científico da Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia da UTFPR. Atualmente atua como Coordenadora Central de Educação a Distância da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e como Profa. do Departamento de Educação da PUC-Rio. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação aplicadas a Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação a distância, informática na educação, ambientes de aprendizagem mediados por tecnologias, avaliação da qualidade de produtos educacionais e avaliação da aprendizagem. É Coordenadora do grupo de Pesquisa “Cooperação e avaliação em Educação a Distância, coordenou o Projeto CONDIGITAL na área de Química, o Projeto Almanaque Sonoro de Ciência e Tecnologia e é Coordenadora Acadêmica do curso para professores Tecnologias em Educação.

Citas

Andrade, A., Vicari, R.(2003). Construindo um ambiente de aprendizagem a distância inspirado na concepção sociointeracionista de Vygotsky . (257-273). En M.Silva (org.) Educação Online. São Paulo: Edições Loyola.

Andrade, M., Freire, J., Neri, M. (2015). Mecanismos de afetividade no ensino a distância – relação tutor e aluno, no contexto universitário. Anais. 8º Encontro Internacional de Formação de Professores e 9º Fórum Permanente de Inovação Educacional. Recuperado de: https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/view/1772.

Bannel et al. (2016). Educação no século XXI: cognição, tecnologias e aprendizagens. Petrópolis, RJ: Vozes; Editora PUC.

Bauer, M. W. (2008). Análise de Conteúdo Clássica: uma revisão. (189-221). En M. Bauer. et al. Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Brasil (2005). Decreto 5622, de 19 de dezembro. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm.

Campos, G. (2002). Avaliação em cursos on-line. Formação e Treinamento On-line. Escola Internet. Colunas. Revista TI. Recuperado de: http://www.timaster.com.br/revista/colunistas/ler_colunas_emp.asp?cod=522.

_____________. (2011). Mediação pedagógica: cooperação entre pares como estratégia pedagógica. (49-74). En G. H.B. Campos et al. As relações colaborativas: desafios da docência online. Curitiba, PR: CRV.

_____________. (2007). Tecnologias em Educação: Uma experiência em larga escala de formação de professores para o uso de tecnologia em sala de aula. Coordenação Central de educação a Distância. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio.

Campos, G. H. B., Ziviani, C., Silva, E. C., Roque, G. O. (2013). Díade mediador-aluno: Relações de cooperação. Tecnologias, sociedade e conhecimento. 1(1), 57-79, NIED, UNICAMP. Recuperado de: http://www.nied.unicamp.br/ojs/index.php/tsc/article/view/110/98.

Carvalho, M. R., Lima, R. L. (2015). A Importância da afetividade na EaD: uma perspectiva de Wallon. Revista EDaPECI. São Cristóvão (SE) 15(1), 192-205. Recuperado de: http://www.seer.ufs.br/index.php/edapeci/article/view/3391.

David, P. B. et al. (2014).Análise da afetividade em fóruns virtuais: construção de uma ontologia de domínio. Nuevas Ideas en Informática Educativa. (821-826). Recuperado de: http://www.tise.cl/volumen10/TISE2014/tise2014_submission_288.pdf.

Ferreira, A. L., Acioly-Regnier, N. M. (2010). Contribuições de Henri Wallon à relação cognição e afetividade na educação. Educ. rev., Curitiba, n. 36, p. 21-31. doi: http://dx.doi.org/10. 0/S0104-40602010000100003.

Goulao, M. F. (2016). Comunicação e afetividade em ambientes virtuais. Revista EDaPECI. São Cristóvão (SE). 16 (1), 162-177. Recuperado de: http://www.seer.ufs.br/index.php/edapeci/article/view/4863.

Kronbernger, N. et al. (2008). Palavras-chave em contexto: análise estatística de textos. En M. Bauer et al. Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Liew, T. W., Zin, N. A. M., Sahari, N. e Tan, S. (2016). The Effects of a Pedagogical Agent’s Smiling Expression on the Learner’s Emotions and Motivation in a Virtual Learning Environment. International Review of Research in Open and Distributed Learning.17 (5), 248-266. doi: http://dx.doi.org/10.19173/irrodl.v17i5.2350.

Nascimento, A. (2004). Memória dos verdes anos: saudade da infância na música popular brasileira – uma investigação e uma proposta de análise de dados. Tese (doutorado). Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Psicologia.

Réka, J. et al. (2015). Implications of Motivational Factors Regarding the Academic Success of Full-time and Distance Learning Undergraduate Students: A Self-determination Theory Perspective. Procedia – Social and Behavioral Sciences. 187. p. 50-55. doi:10.1016/j.sbspro.2015.03.010

Roque, G. (2011). Avaliação de aprendizagem em atividade desenvolvida a distância. (75-100) En G. H.B. Campos et al. As relações colaborativas: desafios da docência online. Curitiba, PR: CRV.

Silva, E. C. (2013). Concepção dos alunos sobre mediação pedagógica: um estudo de caso em curso na modalidade a distância. Dissertação de Mestrado não publicada, Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Simonetto, K., Murgo, C., Ruiz, A. (2016). Afetividade Na Educação: A Distância Sob O Olhar De Alunos De Pós-Graduação. Rev. FSA, Teresina, 13(1), 83-96. doi: http://dx.doi.org/10.12819/2016.13.1.5

Tassoni, E. C. M., Leite, S. A. S. (2013). Afetividade no processo de ensino e aprendizagem: as contribuições da teoria walloniana. Educação (Porto Alegre, impresso), 36 (2), 262-271, Recuperado de: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/download/9584/9457.

Tardif, M., Lessard, C. (2014). O Trabalho docente – Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 9ª edição. Petrópolis: Vozes.

Tovar, E. F. e Bercht, T. (2016). Explorando la dimensión afectiva entre el estudiante y el conocimiento matemático mediado por las TIC. Novas Tecnologias na Educação. 14 (1) 1-9. Recuperado de: http://seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/67381/38472.

Veras, R. S., Ferreira, S. P. A. (2010). A afetividade na relação professor-aluno e suas implicações na aprendizagem, em contexto universitário. Educ. rev., Curitiba , 38 (1), 219-235. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602010000300015&lng=en&nrm=iso.

Vygotsky, L. (2000). A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes.

Wallon, H. (2007). A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes.

Publicado

2018-01-02

Cómo citar

Castro, E., Melo, K. S., & Campos, G. H. B. (2018). Afetividade e motivação na docência online: um estudo de caso. RIED-Revista Iberoamericana De Educación a Distancia, 21(1), 281–301. https://doi.org/10.5944/ried.21.1.17415