Análise do perfil da autorregulação da aprendizagem de alunos de pedagogia EaD

Autores/as

  • Juliana Gomes Fernandes Instituto Federal do Paraná – Campus Londrina (IFPR)
  • Luciane Guimarães Batistella Bianchini Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)
  • Paula Mariza Zedu Alliprandini Universidade Estadual de Londrina (UEL)

DOI:

https://doi.org/10.5944/ried.23.1.24029

Palabras clave:

autorregulação, aprendizagem, educação à distância, pedagogia.

Resumen

A Educação a Distância (EaD) é uma modalidade de ensino que exige maior responsabilidade e comprometimento por parte do aluno, que necessita ter grande autonomia sobre seu processo de aprendizagem. Tais aspectos suscitam reflexões e questionamentos acerca do perfil do aluno matriculado na EaD e, portanto, a presente pesquisa analisou o perfil de aprendizagem autorregulada dos alunos matriculados em um curso de Pedagogia a distância de uma universidade privada. Trata-se de uma pesquisa de campo, descritiva, com abordagem quantitativa. Participaram da pesquisa 1.434 alunos, que responderam a escala Questionário de Aprendizagem Autorregulada Online desenvolvida por Barnard-Brak, Lan e Paton (2010). Os participantes apresentaram um perfil alto de autorregulação, nos fatores estabelecimento de metas e estruturação do ambiente, e moderado nos fatores estratégias para as tarefas, gerenciamento do tempo, procura por ajuda e autoavaliação. Quanto maior a faixa etária mais autorregulado se apresentou o aluno. Pretende-se dessa forma auxiliar o corpo docente e os tutores do curso pesquisado a reconhecerem o perfil dos seus alunos nos aspectos relacionados à autorregulação da aprendizagem, podendo dessa maneira orientá-los em qual direção seguir para melhoria de sua prática pedagógica, bem como contribuir para uma melhor articulação dos projetos pedagógicos aos processos educacionais de aprendizagem no contexto de cursos a distância.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Juliana Gomes Fernandes, Instituto Federal do Paraná – Campus Londrina (IFPR)

Mestre em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias, pela Universidade Norte do Paraná (UNOPAR). Docente do Instituto Federal do Paraná – Campus Londrina (IFPR). Graduada em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) e especialista em Fisioterapia Dermato-Funcional pela Faculdade Estadual de Jacarezinho (FAEFIJA). Linhas de trabalho: ensino, ensino técnico e ensino a distância.

Luciane Guimarães Batistella Bianchini, Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)

Pós-Doutora em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). Docente do Programa de Mestrado em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias da Universidade Norte do Paraná (UNOPAR). Linhas de trabalho: ensino a distância, utilização de tecnologias na educação.

Paula Mariza Zedu Alliprandini, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Pós-Doutora junto ao Departamento de Psicologia da "Cornell University" em 1997/1998, Mestrado (1991) e Doutorado (1994) em Psicobiologia pela Universidade de São Paulo. Atualmente atua como Professor Associado A junto ao Departamento de Educação e Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Sua produção científica aborda os seguintes temas: autorregulação da aprendizagem, estratégias de aprendizagem, percepção, memória e motivação, discutindo a contribuição destas temáticas no diagnóstico e intervenção frente ao processo de aprendizagem em contextos escolares.

Citas

Almeida Filho, C. C. P. (2015). O avanço da educação a distância no Brasil e a quebra de preconceitos: uma questão de adaptação. Revista Multitexto, 3(1), 14-20.

Alves, L. (2011). Educação à distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, 10, 83-92.

Associação Brasileira de Educação a Distância – ABED. (2018). Censo EAD. BR 2017: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil. Curitiba: InterSaberes. Recuperado de: http://abed.org.br/arquivos/CENSO_EAD_BR_2018_digital_completo.pdf

Bandura, A. (1986). Social foundations of thought and action: a social cognitive theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Barnard-Brak, L.; Lan, W. Y.; Paton, V. O. (2010). Profiles in self-regulated learning in the online learning environment. International Review of Research in Open and Distance Learning, 11(1), 149-56.

Belloni, M. L. (2002). Ensaio sobre a educação a distância no Brasil. Educação & Sociedade, 23(78), 117-42.

Benício, E. R. (2010). A EaD na formação de professores: uma tendência contemporânea. Recuperado de: http://www.partes.com.br/educacao/eadformacao.asp.

Bergamin, P. B.; Ziska, S.; Werlen, E.; Siegenthaler, E. (2012). The relationship between flexible and self-regulated learning in open and distance universities. The International Review of Research in Open and Distance Learning, 13(2), 101-23.

Borletto, D. (2011). Estratégias de aprendizagem e de regulação emocional de estudantes dos cursos de formação de professores (Master's thesis). Recuperado da Universidade Estadual de Campinas.

Castro, R. F. (2016) Autorregulação da aprendizagem no ensino superior a distância: o que dizem os estudantes? Revista Brasileira de Ensino Superior, 2(2), 15-26.

Dias, R. A.; Leite, L. S. (2010). Educação à distância: da legislação ao pedagógico. Petrópolis: Vozes.

Góes, N. M.; Alliprandini, P. M. Z. (2013). O uso de estratégias de aprendizagem e o papel do tutor: análise da produção científica disponível nos sites Scielo, ERIC e RIED no período de 2003 a 2013. Artigo apresentado no Congresso Nacional de Educação EDCERE, 11, Curitiba.

Góes, N. M.; Alliprandini, P. M. Z. (2014). Análise das estratégias de aprendizagem cognitivas, metacognitivas, autorregulatórias e comportamentais utilizadas por alunos de um curso de pedagogia ofertado a distância. Artigo apresentado no ANPED SUL 10, Florianópolis.

Hair, J. F.; Black, W.; Babin, B. J.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2005). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Korkmaz, O.; Kaya, S. (2012). Adapting Online Self-Regulated Learning Scale into Turkish. Turkish Online Journal of Distance Education, 13(1), 52-67.

Lessa, S. C. F. (2011). Os reflexos da legislação de educação a distância no Brasil. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, 10, 17-28.

Lima, M. das G. S. (2003). Educação à distância: conceituação e historicidade. Revista Trilhas, 4(1), 61-77.

Lynch, R.; Dembo, M. (2004). The relationship between self-regulation and online learning in a blended learning contexto. International Review of Research in Open and Distance Learning, 5(2), 1-16.

Pavesi, M. A. (2015). Análise da aprendizagem autorregulada de alunos de cursos à distância em função das áreas de conhecimento, faixa etária e sexo (Master’s thesis). Recuperado da Universidade Estadual de Londrina.

Piccoli, G.; Ahmad, R.; Ives, B. (2001). Web-based virtual learning environments: a research framework and a preliminary assessment of effectiveness in basic it skills training. MIS Quarterly, 25(4), 401-26.

Pintrich, P. R. (2004). A conceptual framework for assessing motivation and self-regulated learning in college students. Educational Psychology Review, 16(4), 385-406.

Ribeiro, I. S.; Silva, C. F. (2007). Autorregulação: diferenças em função do ano e área em alunos universitários. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(4), 443-448.

Richardson, J.; Swain, K. (2003). Examining social presence in online courses in relation to students’ perceived learning and satisfaction.

Journal of Asychronous Learning Networks, 7(1), 68-88.

Rosário, P. (2004). Estudar o estudar: as (des) venturas dosbbb testas. Porto: Porto Editora.

Ryan, A.; Pintrich, P. R. (1997). Should I ask for help? - the role of motivation and attitudes in adolescents help seeking in math class. Journal of Educational Psychology, 89, 329–341.

Sabourin, J.; Mott, B.; Lester, J. (2012). Early prediction of student self-regulation strategies by combining multiple models. In: Kalina, Y. et al. 5th International conference on educational data mining, 19-21.

Silva, A. L.; Simão, A. M. da V.; Sá, I. (2004). Autorregulação da aprendizagem: estudos teóricos e empíricos. Intermeio, 10(19), 59-74.

Simão, A. M. V.; Frison, L. M. B. (2013). Autorregulação da aprendizagem: abordagens teóricas e desafios para as práticas em contextos educativos. Cadernos de Educação, 45, 2-20.

Terry, K. P.; Doolittle, P. (2006). Fostering self-regulation in distributed learning. College Quarterly, 9(1), 1-8.

Testa, M. G.; Luciano, E. M. (2010). A influência da autorregulação dos recursos de aprendizagem na efetividade dos cursos desenvolvidos em ambientes virtuais de aprendizagem na internet. Revista Eletrônica de Administração, 16(2), 481-513.

Vovides, Y. et al. (2007). The use of e-learning course management system to support learning strategies and to improve self-regulated learning. Educational Research Review, 2(1), 64-74.

Whipp, J.; Chiarelli, S. (2004). Self-regulation in a web-based course: a case study. Educational Technology Research and Development, 52(4), 5-22.

Zimmerman, B. (2000). Self-efficacy: an essential motive to learn contemporary educational. Contemporary Educational Psychology, 25(1), 82-91.

Zimmerman, B. J.; Schunk, D. H. (2011). Self-regulated and Performance: An introduction and an overview. In: Zimmerman, B.; Schunk, D. H. Handbook of self-regulation of learning band performance, 1-12.

Publicado

2020-01-02

Cómo citar

Gomes Fernandes, J., Batistella Bianchini, L. G., & Alliprandini, P. M. Z. (2020). Análise do perfil da autorregulação da aprendizagem de alunos de pedagogia EaD. RIED. Revista Iberoamericana De Educación a Distancia, 23(1), 269–286. https://doi.org/10.5944/ried.23.1.24029