Preditores da autoavaliação da Saúde Geral em docentes de Educação a Distância

Autores/as

  • Daniele Kruel Goebel Universidade Vale do Rio dos Sinos- Unisinos
  • Mary Sandra Carlotto Universidade Vale do Rio dos Sinos- Unisinos http://orcid.org/0000-0003-2336-5224

DOI:

https://doi.org/10.5944/ried.22.1.21885

Palabras clave:

saúde geral, estressores ocupacionais, professores, tutores, EaD, saúde do trabalhador.

Resumen

A percepção de saúde abrange tanto questões físicas quanto emocionais, além de aspectos do bem-estar e da satisfação com a própria vida, assim como o seu nível está associado à adoção de comportamentos de saúde. Este artigo tem como objetivo avaliar o poder preditivo dos estressores ocupacionais e psicossociais para a autoavaliação da saúde geral em docentes de EaD e verificar se existe diferença na predição entre professores e tutores. A amostra do tipo não probabilística constituiu-se de 158 professores e 152 tutores de Educação a distância. Foi utilizado um questionário para obter dados sobre autoavaliação em saúde geral, avaliação de estressores ocupacionais e uma escala de avaliação de Estressores Psicossociais no Contexto Laboral. Os resultados, obtidos por meio da análise de regressão linear múltipla, indicaram como variáveis preditoras, nos professores, a carga horária de trabalho, forma como o trabalho é organizado e pressão do grau de responsabilidade e, nos tutores, conciliar trabalho-família, sobrecarga de papéis e relação com o superior imediato. Os resultados indicam especificidades nas variáveis explicativas no que tange à autoavaliação de tutores e professores.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Daniele Kruel Goebel, Universidade Vale do Rio dos Sinos- Unisinos

Psicóloga pelo Centro Universitário Franciscano de Santa Maria, Especialista em RH e Marketing pela Faculdade Metodista de Santa Maria e Mestra em Psicologia Clínica pela Universidade Vale do Rio dos Sinos de São Leopoldo, onde atualmente é tutora EaD nos cursos de graduação em Administração, Gestão de RH, Logística, Processos Gerenciais e Sistemas de Informação e no MBA Banrisul. Integrante do grupo de pesquisa em Saúde Ocupacional/Unisinos/São Leopoldo.

E-mail: danielekgoebel@gmail.com

 

Mary Sandra Carlotto, Universidade Vale do Rio dos Sinos- Unisinos

Graduação em Psicologia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1983), especialização em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Cândido Mendes-RJ (2000), mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade Luterana do Brasil (2002) e doutorado em Psicologia Social pela Universidade de Santiago de Compostela/Espanha (2005). Pós-doutorado pela Universidade de Valencia/Espanha (2010). Professora do Curso de Psicologia e do PPG em Psicologia na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Saúde Ocupacional (GPPSO). Membro da Comissão da Área de Psicologia da CAPES. Membro da equipe de investigação da Unidad de Investigación Psicosocial de la Conducta Organizacional (UNIPSICO) - Universidade de Valencia - Espanha. Membro da equipe de investigação do Laboratório de Reabilitação Psicossocial da Universidade do Porto - Portugal. Membership of European Academy of Occupational Health Psychology. Membro da ABECiPsi - Associação Brasileira de Editores Científicos de Psicologia. Editora Associada da Revista Psicologia: Organizações e Trabalho - rPOT e da Revista Quaderns de Psicologia/Barcelona/Espanha . Principais temas de pesquisa: Estresse Ocupacional, Síndrome de Burnout; Assédio Moral; Adição ao Trabalho; Tecnoestresse; Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho; Coping Ocupacional; Interação Trabalho-Família.

E-mail: mscarlotto@gmail.com

Citas

Abellán, B. G., Hidalgo,L. T. J., Sotos, R. J., López, T. L., Jiménez, V. C. (2016). Alimentación saludable y autopercepción de salud. Aten Primaria, 48(8), 535-542. doi: https://doi.org/10.1016/j.aprim.2015.12.001

Abreu, M., Coelho, M. D., & Ribeiro, S. J. (2016). Percepção de professores universitários sobre as repercussões do seu trabalho na própria saúde. Revista Brasileira De Pós-Graduação, 13(31), 465-486. doi: https://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2016.v13.1155

Alves, S. M. (2014). A ativid@de de tutores na educação a distância: um olhar ergológico para o prescrito e o vivido nos ambientes virtuais de aprendizagem. Letras de Hoje, 49(3), 336-344. doi: https://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2014.3.15870

Barros, M. V. G. de, & Nahas, M. V. (2001). Comportamentos de risco, auto-avaliação do nível de saúde e percepção de estresse entre trabalhadores da indústria. Revista de Saúde Pública, 35(6), 554-563. doi:https://dx.doi.org/10.1590/s0034-89102001000600009

Bryant, J., Bonevski, B., Paul, C. L., & Lecathelinais, C. L. (2013). A cross‐sectional survey of health risk behaviour clusters among a sample of socially disadvantaged Australian welfare recipients. Aust N Z J Public Health, 37, 118-123. doi: https://doi.org/10.1111/1753-6405.12028

Carlotto, M. S., & Palazzo, L. S. (2006). Síndrome de burnout e fatores associados: um estudo epidemiológico com professores. Cadernos de Saúde Pública, 22(5), 1017-1026. doi: https://dx.doi.org/10.1590/s0102-311x2006000500014

Chagas, D. (2015). Riscos psicossociais no trabalho: causas e consequências. Revista Infad de Psicologia, 2(1), 439-446. doi: https://dx.doi.org/10.17060/ijodaep.2015.n1.v2.24

DeSalvo, K. B., Bloser, N., Reynolds, K., He, J., & Muntner, P. (2006). Mortality prediction with a single general self- rated health question: a meta-analysis. Journal of general internal medicine,21(3), 267-275. doi: https://dx.doi.org/10.1111/j.1525-1497.2005.00291.x

Durán, R., Estay-Niculcar, C., & Álvarez, H. (2015). Adopción de buenas prácticas en la educación virtual en la educación superior. Elsevier/ Aula Abierta, 43, 77–86. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.aula.2015.01.001 0210-2773

Ferreira, M. C., Milfont, T. L., Silva, A. P. C., Fernandes, H. A., Almeida, S. P., & Mendonça, H. (2015). Escala para avaliação de estressores psicossociais no contexto laboral: construção e evidências de validade. Psicologia: Reflexão e Crítica, 28(2), 340-349. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1678-7153.201528214

Field, A. (2009). Descobrindo a estatistica usando o SPSS-2. Bookman Editora.

Filha, M. M. T., Costa, M. A. S., & Guilam, M. C. R. (2013). Occupational stress and self-rated health among nurses. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(2), 475-483. doi:https://dx.doi.org/10.1590/s0104-11692013000200002

Filho, G. F. A., Amaral, L. H., & Schimiguel, J. (2015). A importância do professor na educação a distância. Revista Atlante. Disponível em: http://www.eumed.net/rev/atlante/04/educacion-distancia.html

Freitas, M. T. M., & Franco, A. P. (2014). Os desafios de formar-se professor formador e autor na educação a distância. Educar em Revista, 4, 149-172. doi:https://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.38658

Ganster, D. C., & Rosen, C. C. (2013). Work stress and employee health: a multidisciplinary review. Journal of Management, 39(5), 1085-1122. doi: https://dx.doi.org/10.1177/0149206313475815

Guimarães, B. V. (2015). Tutoria em educação a distância: papéis, formações e percepções. Dissertação de Mestrado, Unirio, Duque de Caxias, RJ, Brasil.

Hackmayer, M. B., & Bohadana, E. (2014). Professor ou tutor: uma linha tênue na docência em ead. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia,17(2), 223-240. doi: https://dx.doi.org/10.5944/ried.17.2.12685

Johansson, S., & Sundquist, J. (1999). Change in lifestyle factors and their influence on health status and all-cause mortality. International Journal Epidemiol, 28(6), 1073-1080. doi: https://dx,doi.org/10.1093/ije/28.6.1073

Leão, F. D. L. P. (2014). Relações saúde, trabalho e resiliência do Docente - tutor na Educação a Distância. Dissertação de Mestrado, Universidade de Taubaté, Taubaté, São Paulo, SP, Brasil.

Leite, T. C. (2015). Docência compartilhada e o potencial da formação continuada: rotas possíveis nas viagens pelas práticas docentes na ead. Dissertação de Mestrado,Universidade do Vale do Rio dos Sinos- Unisinos, São Leopoldo, RS, Brasil.

Li, F., Chen, J., Yu, L., Jing, Y., Jiang, P., Fu, X., Wu, S., Sun, X., Luo, R., Kwan, H., Zhao, X., & Liu, Y. (2016). The role of stress management in the relationship between purpose in life and self-rated health in teachers: a mediation analysis. International Journal of Environmental Research and Public Health, 13(7), 1-9. doi: https://dx.doi.org/10.3390/ijerph13070719

Luz, M. A. M., & Neto, J. L. F. (2016). Processos de trabalho e de subjetivação de professores universitários de cursos de educação à distância. Psicologia Escolar e Educacional, 20(2), 265-274. doi:https://dx.doi.org/10.1590/2175-353920150202962

MEC/SEED – Ministério da Educação / Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de qualidade para a educação superior a distância. Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/dec_5622.pdf

Milner, A., Witt, K., Spittal, M. J., Bismark, M., Graham, M., & La Montagne, A. D. (2017). The relationship between working conditions and self-rated health among medical doctors: evidence from seven waves of the Medicine In Australia Balancing Employment and Life (Mabel) survey. BMC Health Services Research, 17(1), 1-10. doi: https://dx.doi.org/10.1186/s12913-017-2554-z

Nahón, E. A. (2017). Aportaciones al proceso horizontal de transversalización de la Educación a Distancia en las instituciones de educación superior. Revista de la Educación Superior 46(182), 57–69. http://dx.doi.org/10.1016/j.resu.2017.02.003

Neri, M. C. (2012). De Volta ao País do Futuro: Crise Européia, Projeções e a Nova Classe Média. Rio de Janeiro: FGV/CPS.

Organização Internacional do Trabalho. (1984). A condição dos professores: recomendação Internacional de 1966, um instrumento para a melhoria da condição dos professores. Genebra: OIT/ Unesco

Pavão, A. L. B., Werneck, G. L., & Campos, M. R. (2013). Autoavaliação do estado de saúde e a associação com fatores sociodemográficos, hábitos de vida e morbidade na população: um inquérito nacional. Cadernos De Saúde Pública, 29(4), 723-734. doi: https://dx.doi.org/10.1590/s0102-311x2013000400010

Pérez, J. P. (2017). Salud ocupacional y psicología:¿ Quo vadis?. Revista Cubana de

Salud y Trabajo, 18(1), 67-73. Disponível em: http://www.bvs.sld.cu/revistas/rst/vol18_1_17/rst09117.htm

Peres, M. A., Masiero, A. V., Longo, G. Z., Rocha, G. C., Matos, I. B., Najnie, K., Oliveira, C. M., Arruda, M. P., & Peres, K. G. (2010). Auto-avaliação da saúde em adultos no Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, 44(5), 901-911. doi: https://dx.doi.org/10.1590/s0034-89102010000500016

Petarli, G. B., Salaroli, L. B., Bissoli, N. S., & Zandonade, E. (2015). Autoavaliação do estado de saúde e fatores associados: um estudo em trabalhadores bancários. Cadernos de Saúde Pública, 31(4), 787-799. doi: https://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00083114

Prass, P. B. B., & Oliveira, W. S. (2015). A interface da autoavaliação em saúde dos professores e seu preparo para abordagem do tema na escola. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 19(2), 45-52. doi: https://dx.doi.org/10.4034/rbcs.2015.19.s2.07

Raffo, D. M., Brinthaupt, T. M., Gardner, J. G., & Fisher, L. S. (2015). Balancing online teaching activities: strategies for optimizing efficiency and effectiveness. Online Journal of Distance Learning Administration,18(1). Disponível em: http://www.westga.edu/~distance/ojdla/spring181/raffo_brinthaupt_gardner_fisher181.html

Segovia, J., Bartlett, R. F., & Edwards, A. C. (1989). The association between self-assessed health status and individual health practices. Canadian Journal of Public Health,80(1), 32-37. Disponível em: http://europepmc.org/abstract/med/2702542

Silva, A. K. L., Falcão, J. T. R., Torres, C. C., & Caraballo, G. P. (2017). Os impedimentos da atividade de trabalho do professor na EAD. Psicologia: Ciência E Profissão, 37(3), 683-696. doi: https://dx.doi.org/10.1590/1982-3703004162015

Silveira, R. A. M., Souza, M. M. P., & Silva, W. V. K. M. (2014). O papel do tutor como mediador da aprendizagem na educação a distância. Disponível em: http://www.abed.org.br/hotsite/20-ciaed/pt/anais/pdf/192.pdf

Szwarcwald, C. L., Souza-Júnior, P. R. B., Esteves, M. A. P., Damacena, G.

N., & Viacava, F. (2005). Socio-demographic determinants of self-rated health in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 21(Suppl.1), 54-64. doi: https://dx.doi.org/10.1590/s0102-311x2005000700007

Taylor, K., Green, N., & MPhil. (2015). Psychosocial risk factors: what are they and why are they important? Otago: Wellnomics. Disponível em: http://www.workpace.com/assets/Uploads/WhitePapers/WellnomicsWhitepaperPsychosocial-risk-factors-What-are-they-and-why-are-they-important.pdf

Wingo, N. P., Ivankova, N. V., & Moss, J. A. (2017). Faculty Perceptions about Teaching Online: Exploring the Literature Using the Technology Acceptance Model as an Organizing Framework. Online Learning, 21(1), 15-35. doi: http://dx.doi.org/10.24059/olj.v21i1.761

World Health Organization (2014). Constitution of the World Health Organization. Basic Documents. Genebra: WHO. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/151605/1/9789241650489_eng.pdf

Publicado

2019-01-02

Cómo citar

Kruel Goebel, D., & Carlotto, M. S. (2019). Preditores da autoavaliação da Saúde Geral em docentes de Educação a Distância. RIED. Revista Iberoamericana De Educación a Distancia, 22(1), 309–323. https://doi.org/10.5944/ried.22.1.21885