Flexibilidade educacional na cibercultura: analisando espaços, tempos e currículo em produções científicas da área educacional

Daniel Mill

Resumen


O texto analisa os princípios da flexibilidade na educação e aborda suas implicações na qualidade do ensino e da aprendizagem na Educação a Distância (EaD). As categorias espaço, tempo e currículo são analisadas como elementos fundantes da flexibilidade, com base na virtualização das atividades humanas promovida pela emergência da cibercultura. Primeiro, foi realizado um estudo teórico sobre flexibilidade educacional, conceituando termos, caracterizando seus elementos constitutivos, evidenciando sua importância para a melhoria do ensino e da aprendizagem. Depois, como trabalho de campo, a temática foi mapeada em duas bases de publicações educacionais: 1.540 teses (doutorado) e 3.988 artigos (periódicos). Como resultado, as análises quali-quantitativas denunciaram a escassez de pesquisas voltadas para a compreensão da flexibilidade na EaD. Todavia, observamos que a estruturação de modelos pedagógicos mais adequados à nossa época requer conhecimento aprofundado da maleabilidade pedagógica: onde (espaço), quando (tempo) e como (organização curricular) ocorre o ensino-aprendizagem na cibercultura?


Palabras clave


Flexibilidade; espaço; tempo; currículo; tecnologias digitais; educação híbrida.

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


Amarilla Filho, P. (2011). Educação a distância: uma abordagem metodológica e didática a partir dos ambientes virtuais. Educ. em Revista, 27 (2), (41-72).

Barros, F. M.; Fiuza, A. L.; Barreto, M. L.; Ferreira Neto, J. A. (2011). O currículo do Curso Técnico em Agropecuária: subvertendo a concepção de grade curricular. Educ. e Pesquisa, 37 (2), (375-388).

Brasil, (2007). Ministério da Educação, Secretaria de Educação a Distância. Referenciais de qualidade para educação superior a distância. Brasília: MEC-SEED.

ForGRAD, (2003). Fórum Nacional de Pró-Reitores de Graduação das Universidades Brasileiras. Concepções e Implementação da Flexibilização Curricular. Documento síntese das discussões dos Grupos de Trabalho do FORGRAD-2003. Campo Grande-MS: FORGRAD.

Charczuk, S. B. (2012). Interdisciplinaridade na educação a distância: estudo de caso no âmbito de um curso de pedagogia. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.

Doctors, M. (org.), (2003). Tempo dos tempos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Elias, N. (1998). Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Frago, A.V.; Escolano, A. (2001). Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A.

Gomes, H. F. (2006). Práticas pedagógicas e espaços informacionais da universidade: possibilidades de integração na construção do espaço crítico. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal da Bahia – UFBA.

Harvey, D. (2009). Condição pós-moderna. 18.ed. São Paulo: Loyola.

Houaiss, A. (2001). Dicionário Eletrônico da Língua Portuguesa. Rio de janeiro: Editora Objetiva.

Leite, S. P. (2008). A interdisciplinaridade na ação de projetar ambientes virtuais de aprendizagem. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.

Macedo, E. (2006). Currículo como espaçotempo de fronteira cultural. Rev. Bras. Educ., 11 (32), (285-296).

Mill, D. (2006). Educação a distância e trabalho docente virtual: sobre tecnologia, espaços, tempos, coletividade e relações sociais de sexo na Idade Mídia. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.

Mill, D. (2012). Docência virtual: uma visão crítica. Campinas: Papirus.

Mill, D.; Brito, N. D.; Silva, A. R. (2012). Sala de Aula Virtual: novos lugares e novas durações para o ensinar e o aprender na contemporaneidade. In: Oliveira, M.O.; Pesce, L. (org.). Educação e cultura midiática, 1. Salvador: EDUNEB, (169- 192).

Mill, D.; Carmo, H. (2013). Gestão estratégica de sistemas de educação a distância no Brasil e em Portugal: a propósito da flexibilidade educacional. Educação e Sociedade (prelo).

Moore, M. G.; Kearsley, G. (2008). Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Cengage learning.

Parente, C. M. (2010). A construção dos tempos escolares. Educ. em Revista, 26 (2), (135-156).

Quadros, A. L. (2010). A percepção de professores e estudantes sobre a sala de aula de ensino superior: expectativas e construção de relações no curso de química da UFMG. Ciência e Educação, 16 (1), (103-114).

Robertson. S. L. (2009). O processo de Bolonha da Europa torna-se global: modelo, mercado, mobilidade, força intelectual ou estratégia para construção do Estado? Rev. Bras. Educ., 14 (42), (407-422).

Rossel, P.; Bassand, M.; Roy, M. (1998). Au-delà du laboratoire: les nouvelles tecnologies à l’épreuve de l’usage. Lausanne: Presses Polytechniques.

Santos, M. (1999). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 3. ed. São Paulo: Hucitec. Silva, T. T. (2004). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica.

Soares, E. M.; Valentini, C. B.; Rech, J. (2011). Convivência e aprendizagem em ambientes virtuais: uma reflexão a partir da biologia do conhecer. Educ. em Revista, 27 (3), (39-59).

Staker, H. et al. (2011). The rise of K-12 blended learning: profiles of emerging models. San Mateo: Innosight Institute. [en línea] Disponível em: www. innosightinstitute.org/innosight/wpcontent/uploads/2011/05/The-Rise-ofK-12-Blended-Learning.pdf (consulta 2013, 15 de julio).

Thiesen, J. S. (2011). Tempos e espaços na organização curricular: uma reflexão sobre a dinâmica dos processos escolares. Educ. em Revista, 27 (1), (241-260).

Torres, P. L. (2007). Laboratório on-line de aprendizagem: uma experiência de aprendizagem colaborativa por meio do ambiente virtual de aprendizagem Eurek@Kids. Cadernos CEDES, 27 (73), (335-352).

Tubella, I.; Gros, B.; Mas, X.; Macau, C. (2011). Flexible education: Analysing the changing demographic of online students at the Open University of Catalonia. eLearning Papers, 24, (1-11). [en línea] Disponível em: http://elearningpapers. eu/sites/default/files/media25537.pdf. (consulta 2013, 15 de julio).




DOI: http://dx.doi.org/10.5944/ried.17.2.12680

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




RIED. Revista Iboeroamericana de Educación a Distancia
(La Revista Iberoamericana de la Educación Digital)

 
Director/Editor : Lorenzo García Aretio
UNED, Facultad de Educación
C/ Juan del Rosal, 14
28040 Madrid (Spain).
ried@edu.uned.es 
ISSN :1138-2783
E-ISSN : 1390-3306
Depósito Legal : M- 36.279 -1997
Edita: Asociación Iberoamericana de Educación Superior a Distancia (AIESAD
)    

Reconocimiento NoComercial (by-nc): Se permite la generación de obras derivadas siempre que no se haga un uso comercial. Tampoco se puede utilizar la obra original con finalidades comerciales.
SÍGUENOS EN:

https://2.bp.blogspot.com/-wtzwURZeg6I/V_y8vM5DmdI/AAAAAAABKKQ/y_fW6U2dW3cOLG6z-tUwJ9u1Pwt9ltXHACLcB/s320/blogger_b_logo.jpg   https://4.bp.blogspot.com/-Q3lAzaCezXA/V_TZ0BTuIkI/AAAAAAABKF4/wP8QRQVCPiQnk0sE7nEDnZHY5F03AOjbgCLcB/s200/twitrer_120%2B%25281%2529.jpg  https://4.bp.blogspot.com/-4So1RLxqN7Q/VHMWABdXX9I/AAAAAAAAb4E/mV00Ac5Gm-Q/s1600/fb_icon_325x325.png    https://1.bp.blogspot.com/-S7ecZmnt3os/Vzmf77J7EfI/AAAAAAABEYc/g3MJ_0z_noUtAiLS7MRRHXgzOkGbZbfUACLcB/s200/scholar_logo_lg_2011.gif 
 

Colaboran con RIED:

https://2.bp.blogspot.com/-VKcDNIR3Sqk/V_aPanb6P0I/AAAAAAABKIA/XSdUeendX2wJ_afKOCIIkxkZjW0ZnT0vACLcB/s320/logoCUED.jpg       https://3.bp.blogspot.com/-wxw5W-VCRGA/WAnp69yeyuI/AAAAAAABKgo/LHi490KturcyZQE7KnlK2ZT9taWEUXkgQCLcB/s320/logo-AM2.01.png