Cartas, cativos, e humanidades digitais: uma análise da presença do cativo em escritos epistolares portugueses e espanhóis dos séculos XVI-XVIII

Leila Vieira

Resumen


Este artigo tem como enfoque a figura do cativo português e espanhol, o preso europeu que encontra-se em uma situação de cativeiro em uma região distante, em escritos epistolares privados dos séculos XVI-XVIII compilados pelo projeto digital.

P.S. Post Scriptum. Utilizo, em minha análise, a ferramenta Voyant Tools e estudos sobre a experiência de cativeiro escritos por Friedman (1983), VanderBeets (1973), e Voigt (2008; 2009). O objetivo é analisar as diferenças entre como a experiência de cativeiro é relatada nas correspondências escritas pelos próprios cativos e nas cartas na qual ele é mencionado em terceira pessoa. Vemos que nas cartas escritas por cativos o foco é no sofrimento, confinamento, e trabalho duro pelo qual eles passam, assim como em súplicas a Deus e no desejo de manter contato com familiares, enquanto nas cartas em terceira pessoa as dificuldades da experiência do cativeiro não é relatada.


Palabras clave


estudos luso-espanhóis; cativo; cartas; humanidades digitais; análise textual

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))


DOI: https://doi.org/10.5944/rhd.vol.2.2018.22333

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2018 Revista de Humanidades Digitales

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.





Indexada en:

DOAJ-Directory of Open Access Journals ERIH PLUS Knowmetrics
LatinRevWorldcatREDIB
ISIDORECARHUS Plus+ 2018CIRC
CARHUSPortal del HispanismoGoogle Scholar
LatindexDulcineaMIAR
Catálogo BNEREBIUNDialnet

Síguenos en:


Licencia de Creative Commons

Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional